sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Ai de mim


Há muito seus olhos me tentavam.
Seu sorriso a meia boca e suas mãos ao prender aquelas rebeldes mechas que insistiam em cair do penteado, faziam parte do grande espetáculo que era você.
Ai de mim, pobre espectador que fico a olhar-te, ouvir-te e, cada vez mais, desejar-te.
Ai de mim, aqui, tão longe de ti. Em realidades tão próximas mas, mundos tão distantes.
Chego a sentir esse teu hálito doce e a ouvir os mais diferentes sons da tua respiração, encontro uma brecha para me aproximar então mas, te chamam, te apertam e te amam.
Ai de mim, eis-me aqui a te esperar.

2 comentários:

Sam disse...

Putz que coisa linda :O
Sem palavras, ahazou! :O

Nath disse...

Esperar...
Andar em passos tão lentos, caminhando até o outro, quando irei alcançar?
Quando chegará a vez?